Imprensa

Prumo inicia operação do Porto do Açu

No último sábado (25), o Porto do Açu concluiu com sucesso sua primeira operação.

28 de outubro de 2014

No
último sábado (25), o Porto do Açu concluiu com sucesso sua primeira operação.
O navio “Key Light” foi carregado com 80 mil toneladas de minério de ferro no
píer dedicado do T1. O carregamento marcou o início de operação do
empreendimento. A embarcação, que chegou ao porto no dia 22, está atualmente a
caminho da China.

“Este primeiro navio representa um marco histórico para o porto. Já temos
vários clientes produzindo, mas o embarque da Anglo American é o primeiro
realizado. Agora estamos focados em iniciar a movimentação de embarcações no
Terminal 2 até o fim do ano”, comemora Eduardo Parente, presidente da Prumo
Logística.

Um dos marcos conquistados na última semana foi a conclusão da instalação de 28
boias de sinalização, que auxiliam os navios no trajeto de entrada dos canais.
Foram colocadas 18 unidades no T1, e outras 10 no T2.

As boias, que são do tipo articuladas submersíveis, ficam abaixo da linha
d´água, apenas com uma haste com a lanterna de fora. Este tipo de boia oferece
maior segurança à navegação por ser fixa e não se deslocar da posição original,
como geralmente acontece com a boia flutuante. Com uma espécie de âncora em sua
base, chamada de poita, que fica presa no fundo do canal, além de uma lanterna
na superfície que permite melhor visualização do navegador, este tipo de boia
dispensa o uso de faróis de alinhamento. O trabalho de instalação levou cerca
de dois meses e foi realizado com o apoio de embarcações, que lançaram as boias
que possuem de 12 a 14 metros de comprimento e pesam cerca de 28 toneladas
cada.

Outra tecnologia em funcionamento no Porto do Açu, e que garante o aumento da
segurança da navegação no canal do T2, é o radar VTS. Instalado no Centro de
Controle Operacional do Tráfego Marítimo (CCOTM), o equipamento funciona como
um scanner 360º e detecta, em tempo real, embarcações de pequeno porte dos mais
diversos tipos, como barcos de apoio e de pesca, além de surfistas. O radar tem
alcance de cerca de 25 milhas náuticas de distância, equivalente a 50
quilômetros. O Porto do Açu é o primeiro porto brasileiro a contar com o
sistema, que fornece uma série de informações como localização, velocidade, porte,
calado, tipo de carga e bandeira das embarcações. O monitoramento é realizado
por meio de câmeras de vigilância e sensores, que recebem dados que permitem
monitorar e controlar o tráfego marítimo.

Cais

A Prumo também concluiu em setembro a construção do cais do Terminal
Multicargas (TMULT), terminal próprio, que possui 500 metros de extensão e 14,5
metros de profundidade. O terminal, que irá movimentar carga geral de empresas
instaladas no porto e outros clientes, aguarda as autorizações para início de
operação, previsto para o primeiro semestre de 2015. A capacidade de
movimentação do TMULT, na primeira fase, é de aproximadamente 4 milhões de
toneladas de granéis sólidos e carga geral.

Outra importante conquista foi a fabricação do último bloco de concreto que irá
formar o quebra-mar do T2, que será composto por 42 blocos no total. Eles foram
produzidos pelo Kugira, maior equipamento para produção de caixões de concreto
do mundo, da empresa espanhola Acciona, que estava no Porto do Açu desde 2012. A
previsão é que a construção do quebra-mar do T2 seja concluída no início do ano
que vem.

Sobre o Porto do Açu

Com 17 km de píeres, que poderão receber até 47 embarcações simultaneamente, o
Porto do Açu está localizado em São João da Barra, no norte fluminense. Com
área de 90 km², o empreendimento é formado pelo Terminal 1 (T1 – offshore) e
pelo Terminal 2 (T2 – onshore).

O T1 é composto por uma ponte de acesso com 3 quilômetros de extensão, píer de
rebocadores, 9 píeres para movimentação de minério de ferro e petróleo, canal
de acesso e bacia de evolução. O terminal contará na sua totalidade com 4
quilômetros de cais.

O T2 está instalado no entorno de um canal para navegação, que conta com 6,5 km
de extensão, 300 metros de largura e profundidade de até 14,5 metros. No local
estão em andamento às obras para construção do canal de acesso, bacia de
evolução e a implantação da linha de transmissão. Com mais de 13 quilômetros de
cais, o T2 irá movimentar carga de projetos, coque, bauxita, veículos, granéis
sólidos, carga geral e petróleo.​