Imprensa

RPPN Caruara ganha destaque em livro lançado pelo Inea

Unidade de conservação da Porto do Açu é a maior reserva privada de restinga do Brasil

11 de setembro de 2018

A Reserva Particular do Patrimônio Natural Caruara, criada e mantida voluntariamente pela Porto do Açu em São João da Barra, ganhou destaque em livro lançado pelo Instituto Estadual do Ambiente, na última semana. A publicação foi lançada em comemoração aos 10 anos do Programa Estadual de RPPNs, desenvolvido pelo Inea como parte das ações de apoio à conservação da biodiversidade. De um total de 83 RPPNs catalogadas no estado, a Caruara está junto a outras trinta escolhidas para ilustrar as páginas do livro comemorativo. As unidades de conservação reconhecidas pelo Inea somam cerca de 7 mil hectares, distribuídos ao longo de 27 municípios. A Caruara, que é a maior RPPN de restinga do país, com aproximadamente 4 mil hectares, representa mais da metade de toda esta área protegida pelo Estado.

Para o coordenador de Meio Ambiente da Porto do Açu, Daniel Nascimento, ter a RPPN Caruara nas páginas do livro do Inea é um marco para a unidade de conservação, criada há seis anos: “Ser convidado para participar da construção desta publicação é motivo de orgulho para nós, pois formaliza o reconhecimento da relevância ambiental da nossa RPPN para o Estado e dissemina o trabalho que temos desenvolvido com tanto empenho, no Açu. Esperamos transformar a Caruara em um case de sucesso para inspirar outras unidades de conservação no Brasil”, afirmou.

RPPN Caruara

A RPPN Caruara, criada em 2012 pela Porto do Açu, é a maior reserva privada de restinga do Brasil, com aproximadamente 4 mil hectares – o equivalente a 4 mil campos de futebol e a quase metade da área industrial do Complexo do Açu. Na reserva, são desenvolvidos trabalhos de recomposição vegetal e monitoramento de fauna e flora, utilizando a mão de obra local. Hoje, cerca de 40 moradores da região trabalham no espaço.

Todas as mudas plantadas na reserva são produzidas em um viveiro próprio, dedicado ao ecossistema de restinga, com capacidade para produzir até 500 mil mudas por ano. Recentemente, a RPPN alcançou a marca de um milhão mudas produzidas e plantadas, incluindo algumas espécies encontradas na lista da flora brasileira ameaçada de extinção.

Em julho deste ano, foi aprovado o Plano de Manejo da RPPN Caruara. Com isso, a reserva poderá ter seu uso, visitação e preservação ordenados em um plano de gestão. Além de permitir a interação da comunidade com a RPPN, o Plano de Manejo define zonas de proteção e reforça a importância do envolvimento de diferentes setores na preservação do ecossistema da restinga.