Sustentabilidade

A Política define diretrizes estruturadas em 5 pilares e reflete a ambição e o comprometimento da empresa com o desenvolvimento sustentável, assumindo a premissa de que seus negócios devem gerar valor para todas as suas partes interessadas.

 

Na PDA, a Gerência de Saúde, Meio Ambiente e Segurança (SMS) é responsável por desenvolver e implantar o Sistema de Gestão de SMS e possui como principais atribuições:

 

• Promoção da conformidade legal no tocante ao meio ambiente, à segurança e à saúde no trabalho, promovendo a integração entre as diferentes instalações portuárias e empresas que atuam no Porto para cumprimento da legislação
• Implementação, acompanhamento, orientação e fiscalização do Sistema de Gestão no que tange os processos de Meio Ambiente, Saúde e Segurança
• Elaboração, análise e revisão dos documentos referentes à gestão de SMS
• Gestão da performance de SMS das operações da companhia
• Condução dos processos de licenciamento ambiental necessários ao desenvolvimento das atividades e operações da companhia
• Promoção da integração das variáveis de meio ambiente, segurança e saúde no planejamento do desenvolvimento do Porto
• Implementação, manutenção e atualização de um banco de dados ambientais para subsídio das atividades de dragagem, de outras obras portuárias e dos processos de licenciamento ambiental
• Desenvolvimento de programas, estudos, análises e pesquisas sobre temas ambientais de interesse do porto
• Supervisão e fiscalização da execução de medidas de prevenção, mitigação e compensação referentes aos impactos ocasionados pelas operações e obras portuárias
• Condução e liderança para análise e gerenciamento de riscos e gestão integrada de emergências do Porto
• Realização da interlocução com os diferentes terminais, prestadores de serviço e órgãos públicos intervenientes, promovendo sinergias para melhoria de processos e troca de boas práticas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança visando garantir um ambiente seguro para o desenvolvimento das operações portuárias

A Gerência de SMS é estruturada em 3 coordenações e conta com uma equipe de especialistas. Além dos profissionais da PDA, fazem parte da execução das rotinas da gerência as equipes táticas de resposta a emergências, bem como as equipes responsáveis pela execução dos monitoramentos ambientais.

 

A gestão ambiental da PDA é baseada nos aspectos e riscos ambientais mapeados por meio de avaliações e estudos técnicos. A partir da identificação dos potenciais impactos e riscos ambientais, são definidas as medidas de controle e mitigação. Para monitorar a eficiência dessas medidas, são realizadas inspeções rotineiras e ciclos de auditorias anuais. Além disso, são realizados programas de monitoramento da qualidade ambiental no entorno do porto, por meio dos quais é acompanhada a evolução dos parâmetros ambientais, desde a fase pré-implantação, possibilitando identificar a relação das operações do porto com o meio ambiente do entorno, garantindo que os potenciais impactos sejam corretamente gerenciados.

 

Controles Ambientais:
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Líquidos
• Controle de emissões atmosféricas
• Plano de inspeção ambiental
• Plano de Controle de Fauna Sinantrópica
• Monitoramento de Água para Consumo Humano
Transporte, armazenamento e manuseio de produtos químicos perigosos

 

Monitoramentos ambientais:
• Qualidade do Ar
• Emissões sonoras
• Qualidade da Água do Mar e Bioindicadores
• Qualidade da Água Subterrânea
• Qualidade dos recursos hídricos continentais: lagoas de Iquipari, Veiga e Salgada e Canal Quintingute)
• Morfodinâmica Praial

Seja fornecedor da Porto do Açu. Realize seu cadastro por meio do link: https://portodoacu.com.br/fornecedores/

 

O Porto do Açu conta com um amplo sistema de monitoramento de dados meteoceanográficos, classificado como um dos mais modernos e completos entre os portos nacionais, composto por mais de 20 estações de medição de altura e período de ondas, direção e velocidade de correntes, direção e velocidade de vento, visibilidade e amplitude de maré. Esses dados são disponibilizados on-line para o Centro VTS Porto do Açu, responsável pelo Gerenciamento do Tráfego Marítimo, para os práticos em manobra, para a Autoridade Marítima, além de poderem ser integrados com sistemas de monitoramento e gestão. O histórico dessas informações também está disponível para estudos de dimensionamento do tráfego marítimo, estudos de sedimentação e projetos de desenvolvimento portuário.

 

Além disso o Porto do Açu conta com um dos mais modernos sistemas de previsão meteoceanográfica para um porto, desenvolvido especificamente com foco em operações marítimas e portuárias, com previsões locais e hiperlocais, permitindo análise de condições e riscos operacionais para cada terminal e tipo de manobra específico.

 

As dragagens são atividades necessárias para a implantação de instalações portuárias e para garantir o acesso às áreas abrigadas e infraestruturas dos terminais com segurança. Elas consistem nos serviços de escavação e remoção de solo, submersos em qualquer profundidade, podendo ser executados por tipos variados de equipamentos.

 

As atividades de dragagem no T2 do Porto do Açu são realizadas visando a manutenção da navegabilidade e adequações necessárias à operação dos terminais localizados ao longo do canal interno.

 

Os processos de licenciamento ambiental das dragagens do Porto do Açu ocorrem em total observância às normas ambientais aplicáveis, levando em consideração as orientações do órgão ambiental licenciador, órgãos consultivos e intervenientes e de consultorias ambientais especializadas.

 

Dessa forma, foram definidos um conjunto de medidas de controle e monitoramento visando mitigar os potenciais impactos das operações de dragagem do T2, as quais foram consolidadas no Programa de Gerenciamento da Dragagem (PGD) estabelecido no âmbito da LI n° IN042068.

 

As diretrizes e medidas mitigadoras executadas no PGD se valem das melhores práticas internacionais executadas em projetos de dragagem. Tais medidas tem por objetivo garantir a efetividade das obras, sem comprometer a qualidade do ambiente, seja na área do projeto ou no seu entorno.

 

Programa de Gerenciamento da Dragagem (PGD):
• Monitoramento Marinho e Bota-Fora marinho: qualidade da água, biota e sedimento
• Proteção das Tartarugas Marinhas: Observadores de Bordo, Monitoramento de Praia e Adaptações dos equipamentos de Dragagem
• Gestão de resíduos sólidos e efluentes líquidos
• Gestão de emergências
• Controle de Emissões Atmosféricas e Ruído
• Controle da Fotopoluição
• Comunicação Social
• Educação Ambiental

 

As operações da Porto do Açu são licenciadas pelo Instituto Estadual do Ambiente – INEA, o qual realizada o acompanhamento do atendimento das condicionantes por meio de inspeções periódicas e análise dos relatórios apresentados.

As operações do T-Mult são licenciadas por meio da LO IN034002 e sua mais recente averbação, AVB0004438.

 

Visando o pleno atendimento aos requisitos legais aplicáveis às nossas operações, mantemos um robusto mapeamento da legislação e do nível de atendimento por meio do Sistema CAL4.0, desenvolvido pela empresa IUS Natura.

Para verificação do sistema de gestão, avaliação da performance ambiental e identificação de melhorias no sistema de gestão, são realizados ciclos periódicos de auditoria. Esses ciclos contemplam auditorias internas além de auditorias externas de atendimento aos Princípios do Equador.

 

Além disso, o T-MULT é auditado anual e bienalmente, conforme estabelecem a Diretriz do Inea (DZ-056-R.3) e a Resolução CONAMA 306/2002, com objetivo de avaliação de desempenho da gestão ambiental do terminal e reporte dos resultados ao órgão ambiental.

Na Porto do Açu entendemos que a Educação Ambiental é um componente essencial para que o indivíduo e a coletividade construam valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação ambiental e manutenção da qualidade de vida, fundamentais para sustentabilidade.

 

As ações de educação ambiental são fundamentais para o desenvolvimento de uma cultura de sustentabilidade sólida e perene. Envolvendo funcionários e comunidade local num processo participativo, essas ações têm como objetivo contribuir para a elevação da consciência dos indivíduos frente às questões ambientais, estimulando o pensamento crítico e um maior envolvimento como agente de transformação na sociedade.

 

Junto aos seus colaboradores, a educação ambiental é promovida por meio de ações de conscientização e pela formação de multiplicadores. Visando ampliar o alcance das ações de Educação Ambiental, a Porto do Açu mobiliza atores locais e realiza diferentes parceiras institucionais com Secretarias Municipais de Educação e Meio Ambiente, Universidades, Grupos de Escoteiros e ONGs.

 

As ações e seus resultados são divulgados em seu jornal periódico e na intranet, permitindo, com a divulgação, maior envolvimento da sociedade e fortalecimento do processo.

 

Confira mais sobre as ações de Educação Ambiental da Porto do Açu: Educação Ambiental 2020Educação Ambiental 2020.1

 

 

A segurança é um dos valores da Porto do Açu Operações e pilar da nossa estratégia. Trabalhamos continuamente para melhorar nosso desempenho, visando assegurar um ambiente seguro para todos os nossos colaboradores, usuários do porto e comunidade.

 

Por meio do sistema de gestão implementamos os processos e rotinas necessários para garantir que todas as medidas de prevenção e proteção da saúde e segurança das pessoas sejam corretamente identificadas, avaliadas e executadas, visando também o pleno atendimento à legislação aplicável.

 

Os riscos ambientais são aqueles existentes nos ambientes de trabalho, causados por agentes físicos, químicos ou biológicos, capazes de causar danos à saúde do trabalhador. O PPRA, que tem como referência a NR-9, tem por objetivo estabelecer medidas que visem a eliminação, redução ou controle desses riscos em prol da preservação da integridade física e mental do trabalhador.

 

O PCMSO é importante ferramenta para a preservação da saúde dos colaboradores e é elaborado e implantado em atendimento à NR-7. Possui caráter preventivo e tem como finalidade promover, com base nos riscos identificados no PPRA, ações de monitoramento da Saúde Ocupacional.

Anualmente é definido o plano de ação do PCMSO e sua execução é garantida pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da empresa.

Além das ações previstas no PCMSO, para contribuir para que os colaboradores alcancem equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, visando sua saúde e bem-estar, a Porto do Açu desenvolveu e implementou Programa de Qualidade de Vida. Por meio do Programa, buscamos aumentar o nível de satisfação e bem-estar dos colaboradores, diminuição dos níveis de estresse, melhoria da saúde, com menor incidência de doenças ocupacionais e aumento de produtividade.

O Programa foi reestruturado em 2020 visando também apoiar colaboradores na adaptação face às mudanças de rotina necessárias ao enfrentamento à pandemia COVID-19.

 

Com o objetivo de auxiliar o SESMT, a CIPA tem papel fundamental no incremento das ações preventivas para proteção à saúde e segurança dos colaboradores e é mantida em atendimento à NR-5.

Dentre as ações previstas no planejamento anual da Comissão está a coordenação da Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho Portuário – SIPATP.

 

Com o objetivo de estabelecer as medidas e procedimentos para a prevenção, controle e resposta a emergências relacionadas ao novo coronavírus (COVID-19) no Porto do Açu, foi estabelecido o Plano de Contingência COVID-19, aplicável a todos os usuários do porto, visando a proteção dos trabalhadores, da comunidade e manutenção das operações portuárias com segurança.

 

Como parte da rotina de enfrentamento da pandemia, foi formado o Comitê de Operações com representantes de todos os terminais em operação no porto. Por meio de reunião rotineiras, o Comitê discute as ações, medidas e estratégias necessárias à resposta rápida e eficiente à crise relacionada à COVID-19, bem como a evolução dos registros de casos no Porto.

 

Além do Plano de Contingência, por meio do Comitê de Ações Humanitárias do Porto, foram realizadas diversas ações de apoio aos municípios e comunidades locais.

Parte integrante do Pilar Segurança da nossa estratégia de sustentabilidade, o Programa de Segurança no Trânsito atua em diferentes linhas de ação visando o desenvolvimento de cultura de segurança para além da área operacional do porto.

Com ações de Educação e Conscientização e investimentos em infraestrutura viária e processos internos de controle e prevenção, a Porto do Açu atua de forma colaborativa com demais terminais e empresas do porto, instituições relacionadas e poder público, visando contribuir para redução dos acidentes de trânsito na região.

 

 

 

No Porto do Açu, buscamos a aplicação das melhores práticas de gestão de riscos e resposta a emergências, promovendo a integração entre os usuários do porto para a segurança das nossas operações e investindo na prevenção e preparo para resposta a emergências. Estas ações estão em linha com o Programa de Riscos e Emergências que tem como principal propósito tornar o Açu uma referência na gestão de riscos e emergências, disseminando melhores práticas entre todos os usuários do porto.

 

A correta estrutura de gestão e o adequado dimensionamento de recursos para uma resposta eficiente são os pilares do gerenciamento de Emergências no porto. Desde 2016, a Porto do Açu Operações implantou a metodologia ICS (Incident Comand System) e vem investindo para estruturar sua capacidade de resposta, tendo em vista o papel da Administração Portuária como agente de integração e articulação entre os usuários e instituições envolvidas na resposta a emergências, bem como gestora do porto, sendo responsável pelos atendimentos nas áreas de futuros projetos, áreas comuns, acessos e na RPPN Caruara.

 

Para atender aos cenários emergenciais mapeados, a Porto do Açu Operações mantém uma estrutura dedicada à prevenção e resposta para resgate a vítimas e evacuação médica, acidentes veiculares, incêndios prediais, industriais e florestais, vazamentos de produtos químicos e vazamento de óleo no mar.

 

Por meio das equipes táticas de resposta a emergências, a Administração Portuária realiza atendimentos nas áreas de sua responsabilidade além de prestar apoio aos demais usuários do porto quando solicitada.

 

Para garantir o correto preparo de suas equipes, em complemento aos devidos treinamentos de capacitação, são realizados simulados de emergência, envolvendo exercícios de comunicação e mobilização de recursos.

 

O Porto do Açu conta com a Base de Prontidão em Atendimento a Emergência (BPAE) voltada para a reposta a emergências envolvendo vazamentos de óleo no mar dos terminais em operação e das atividades da Administração Portuária.

Além dos recursos de resposta previstos na BPAE, a Porto do Açu possui contratos com empresas especializadas para pronto atendimento de fauna oleada, limpeza de praia e gestão dos resíduos sólidos gerados nos atendimentos.

O dimensionamento dos recursos e dos procedimentos de resposta é estão contemplados no Plano de Emergência Individual – PEI , elaborado em atenção à Resolução CONAMA 398/2008.

 

O Plano de Controle de Emergências – PCE estabelece a estrutura, os procedimentos e recursos para a resposta a situações emergenciais em geral, passíveis de ocorrer durante a realização das operações do T-MULT, para a minimização de eventuais danos às pessoas, ao patrimônio, à continuidade operacional e ao meio ambiente.

As estruturas do terminal contam com Sistema de Prevenção e Combate à Incêndio aprovado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, cuja manutenção é realizada na rotina operacional do terminal.

 

O Plano de Auxílio Mútuo (PAM) do Porto do Açu tem como objetivo o atendimento integrado a emergências que afetem mais de uma empresa do porto ou nas quais o acionamento do PAM confira maior rapidez e eficiência no atendimento. Sua estrutura compartilhada de gestão de emergências permite um atendimento mais eficaz, contribuindo para a segurança das operações no complexo portuário.

 

O PAM define as regras para a mobilização e ações coordenadas em casos de emergências que demandem apoio adicional ao plano de emergência de cada terminal. Através do PAM, o terminal impactado por um incidente pode contar com o apoio e recursos dos demais terminais que fazem parte, por meio da execução de procedimentos e fluxos de comunicação pré-estabelecidos. O documento segue as diretrizes da Norma Regulamentadora NR-29 e tem um importante papel na promoção de sinergias e adoção de boas práticas entre as empresas.

 

A elaboração do Plano de Área do Porto do Açu é coordenada pelo INEA e foi iniciada em dezembro de 2019, contando com a participação de todos os terminais em operação no porto, além das instituições de interesse, como Marinha do Brasil, Defesa Civil e IBAMA.

 

Os terminais do Açu trabalham de forma integrada para atendimento a emergências de óleo no mar. O Plano de Área irá fortalecer essa integração e impulsionar ainda mais a melhoria dos processos de gestão de emergências, contribuindo também para o Plano Nacional de Contingência – PNC, à luz da Lei nº 9.966/2000.

 

Face ao incidente de vazamento de óleo no Nordeste brasileiro em 2019, a Administração Portuária coordenou força-tarefa para a Preparação e Resposta à chegada do incidente no porto, visando garantir a continuidade segura de suas operações e contribuir para proteção dos ecossistemas locais.

 

A força tarefa contou com a integração entre diferentes atores, incluindo terminais e usuários do porto, comunidade local e municipalidade, Marinha do Brasil e Instituto Estadual do Ambiente (INEA), bem como a participação do Porto no GTE – Grupo de Trabalho Especial do Rio de Janeiro, responsável pela gestão de crise no estado.

 

A atuação do Porto do Açu mostrou, diante de um cenário sem precedente, a importância do nosso papel como agente de articulação para um ambiente seguro e colaborativo e o resultado de anos de trabalho na manutenção de uma estrutura adequada e eficiente de Gestão de Emergências. Esse trabalho contínuo e conjunto foi reconhecido em 2020 pelo International Association of Ports and Harbors (IAPH) com o Prêmio Internacional de Sustentabilidade, em categoria disputada com portos tradicionais do mundo inteiro.

 

O Porto do Açu está localizado no município de São João da Barra, no norte do Estado do Rio de Janeiro.

A paisagem da região é marcada por lagos, lagoas, lagunas e canais de drenagem, os quais são favorecidos pela formação geológica sedimentar, aliado ao clima e regime de chuvas.

A área está inserida na Região Hidrográfica do Baixo Paraíba do Sul e tem como principais corpos hídricos o rio Paraíba do Sul, a lagoa de Iquipari, 

 

lagoa do Açu, lagoa Salgada, canal Quitingute, lagoa da Veiga e lagoa de Grussaí, entre outros. O sistema hídrico do entorno do Porto do Açu é monitorado no mar, no continente e no subsolo, sendo produzidos dados importantes para a compreensão dos processos ambientais e sua interação com as atividades portuárias, além de auxiliar na gestão e fiscalização ambiental.

 

A vegetação da região é típica do bioma Mata Atlântica, destacando-se a restinga, que se desenvolve sobre os cordões arenosos. Ainda assim, são predominantes as áreas alteradas pelo uso antrópico, como pastagens e agricultura.

A fauna nativa do entorno do Porto do Açu é relativamente diversa, com ocorrências de espécies endêmicas (locais) e de ampla distribuição dos ecossistemas. Em 2017 foram identificadas aproximadamente 18 novas espécies no interior da RPPN Caruara.

 

Entre as aves, a região abriga uma comunidade heterogênea, composta tanto por espécies adaptadas à presença e às atividades humanas, como por espécies sensíveis às alterações dos ambientes naturais.

A maioria dos anfíbios e dos répteis que ocorrem na região é comum para áreas de restingas. No entanto, também fazem parte desta comunidade, porém com menos frequência, espécies típicas de ambientes florestais.

Na zona costeira verifica-se a ocorrência de um número considerável de animais marinhos tais quais baleias, golfinhos, tubarões, raias e tartarugas, podendo afirmar que as regiões entre Atafona e Barra do Furado são habitats importantes para espécies como a tartaruga cabeçuda (Caretta caretta), as toninhas (Pontoporia blainvillei), os botos-cinza (Sotalia guianensis), golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus), baleias-jubarte (Megaptera novaeangliae) e baleias-francas (Eubalaena australis).

 

O porto está localizado dentro dos 100 km da área prioritária para conservação da espécie Caretta caretta, segundo o Plano de Ação Nacional – PAN TARTARUGAS MARINHAS (MMA, 2010) em função da importância da região como área de alimentação, descanso e migração destas espécies.

Adjacente a área Distrito Industrial encontra-se a Reserva Particular do Patrimônio Natural Caruara (RPPN Caruara). A reserva possui 4.000 hectares de área de proteção de restinga e abriga porções de ambientes lacustres e áreas alagáveis.

Um dos expoentes da nossa estratégia de sustentabilidade e centro das nossas ações de conservação da biodiversidade é a Reserva Caruara.

 

Criada de forma voluntária em 2012, é a maior unidade de conservação privada do país dedicada ao ecossistema de restinga e o maior ativo ambiental do Porto do Açu. Abrange uma área de 40 km² e protege um importante fragmento remanescente de restinga, trechos de florestas e de ambientes associados às lagoas de Iquipari e Grussaí.

A criação da RRPN Caruara demonstra ser possível conciliar desenvolvimento industrial de forma sustentável com a conservação da biodiversidade existente nas áreas dos empreendimentos e seu entorno.

 

Na reserva são desenvolvidos programas de recomposição florestal e monitoramento de fauna e flora. Hoje, cerca de 40 moradores da região trabalham diretamente nesses programas. A reserva mantém ainda o único viveiro de mudas do país dedicado ao ecossistema de restinga, desenvolvendo o manejo de 75 espécies próprias desse ambiente.

 

A RPPN Caruara foi planejada a partir de valores que priorizam a integração do Porto do Açu com a sociedade e com a natureza. Para concretizar estes valores foi elaborado um Plano de Manejo para normatizar os usos pretendidos da Reserva.

 

Competências da Reserva Caruara
• Exercer proposição, implantação, gestão, proteção, fiscalização e monitoramento da Reserva Caruara para a sua conservação;
• Executar e promover, em articulação com a comunidade e os demais órgãos envolvidos, programas recreacionais, de uso público e turístico na Reserva Caruara;
• Executar políticas relativas ao uso sustentável dos recursos naturais e apoio ao desenvolvimento das comunidades locais;
• Possibilitar o desenvolvimento regional, com fácil acesso rodoviário, possibilitando a utilização da Reserva Caruara e de seu entorno pelas diversas faixas econômicas da população;
• Promover o engajamento da sociedade na conservação da biodiversidade por meio da ação voluntária e do reconhecimento público dessa contribuição;
• Fomentar e executar programas educacionais e de pesquisa científica para conservação da biodiversidade da Reserva Caruara.

 

Benefícios da Reserva Caruara para a sociedade
• Promove o equilíbrio ecológico da região;
• Contribui para conservação da biodiversidade de restinga;
• Desenvolve o turismo sustentável de São João da Barra;
• Contribui com a geração de emprego e renda, através de seus programas e serviços;
• Promove o bem-estar e o fortalecimento das relações sociais;
• Contribui para o incremento do ICMS Ecológico de São João da Barra;
• Contribui com a geração e a difusão de conhecimento sobre o ecossistema de restinga e biodiversidade da Mata Atlântica.

 

Em função de sua atuação na preservação e conservação de áreas de restinga por meio da reserva, a Porto do Açu recebeu alguns prêmios socioambientais de relevância nacional e internacional, como o Prêmio Firjan (Ação Ambiental), Selo Verde (Instituto Chico Mendes) e Benchmarking Brasil.

 

Veja alguns materiais sobre a Caruara:

Plano de Manejo [Caderno 1] [Caderno 2] | Vídeo Institucional | Relatório Workshop Restinga | Livro “O Tempo e a Restinga

 

 

Estamos inseridos em área de reprodução de tartarugas marinhas da espécie Caretta caretta. Dessa forma, o Programa de Monitoramento de Tartarugas Marinhas (PMTM) nasceu da necessidade de integrar o desenvolvimento do Porto com o contexto ambiental local, visando a conservação das tartarugas marinhas na região por meio de ações educação ambiental e engajamento com comunidade, além de ações de monitoramento e geração de conhecimento científico.

 

O Programa, que atende a diretrizes técnicas do Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio) – Tamar e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), iniciou-se em 2008 e contempla o monitoramento diário de 62 km de praia desde o pontal de Atafona, em São João da Barra, até a Barra do Furado, em Campos. Durante o período reprodutivo, que vai de outubro a março, as equipes tem também a missão de localizar os ninhos, identificá-los e acompanhá-los até o nascimento dos filhotes.

 

O programa contempla a operação de base veterinária para tratamento e recuperação de animais e realiza um trabalho educativo ao longo de todo o ano, inclusive com o envolvimento das escolas da região, buscando conscientizar a população sobre a importância da preservação da espécie tornando a comunidade local nossos parceiros, disseminando as boas práticas ambientais.

 

Em 2021, o PMTM completa 13 anos e atingirá a marca de 1 milhão de filhotes liberados nas ações de soltura.

Para facilitar o canal de diálogo com a comunidade, o Porto do Açu dispõe de uma Central de Atendimento através do 0800 7290810, que funciona diariamente das 8h às 20h.